FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2010
Dez mil portugueses ficam sem emprego em Espanha
2010-01-23
Portugueses inscritos na Segurança Social espanhola, em Dezembro de 2009, eram quase 59 mil

A Segurança Social espanhola perdeu 10 168 inscritos de nacionalidade portuguesa. Para os sindicatos portugueses, a explicação parece ser simples: o aumento do desemprego em Espanha atinge igualmente os portugueses e muitos serão os que regressam.

Os dados divulgados pela Segurança Social de Espanha dão conta de uma redução de 4,68% do número de inscritos estrangeiros em Dezembro de 2009, face ao mesmo mês do ano anterior. E o número de portugueses acompanha essa descida, embora com uma variação muito superior, de -14,728%.

Em Dezembro de 2008, os portugueses inscritos na Segurança Social em Espanha eram 69 039, um ano depois esse número decresceu para 58 870, uma diminuição registada em todos os regimes existentes.

A explicação avançada pelos sindicatos é a crise económica e o aumento do desemprego no país vizinho, que já atingiu os 15%, "e como é natural, não poderia deixar de atingir os portugueses que estavam a trabalhar na construção civil, na agricultura ou nas pescas", disse Carlos Trindade, da CGTP-IN.

José Cordeiro, da UGT, corroborou esta ideia, e adiantou que não se sabe, "porque não há estatísticas, quantos foram os portugueses que regressaram a Portugal ou optaram por procurar outros mercados".

"Sabe-se", salientou, que "na construção civil muitos foram os que procuraram trabalho em Angola, um novo mercado para muitas empresas nacionais que também estavam em Espanha, mas não há números".

Quanto à agricultura, recorda o aspecto de sazonalidade deste sector, além de sublinhar ser "uma actividade mal remunerada". Mesmo assim, foi a única que aumento o número de inscritos.

No que diz respeito às pescas, o coordenador do Sindicato dos Trabalhadores da Pesca do Norte, António Macedo, frisou que, actualmente, "continua a haver muita gente a partir para barcos de conveniência, com os quais existem seguros e não estão inscritos na Segurança Social".

Adiantou que esta é a solução "para os baixos rendimentos oferecidos em Portugal, onde existem embarcações que têm falta de pessoal especializado, mas também há armadores que preferem a mão-de-obra barata".

José Cordeiro referiu ainda que muitos dos emigrantes portugueses em Espanha poderão neste momento engrossar as listas dos desempregados não inscritos em Portugal, "que regressaram ao abrigo de uma medida do Governo espanhol, que pagava na totalidade os subsídios a que tinham direito, desde que abandonassem Espanha e não voltassem durante um período de tempo".

Crise económica e menos portugueses a trabalhar no estrangeiro tem também como consequência uma redução nas remessas dos emigrantes para o país. Uma situação que se verificou em 2009. De acordo com os dados do Banco de Portugal, até Novembro, as remessas totalizaram os 1,7 mil milhões de euros, em Novembro 2008 eram 1,8 mil milhões.

Jornal de Notícias, aqui.

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios