FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa / 2009
Viagem por 11 países confirmou existência de talento português em todo o mundo
2009-11-23
Tiago Forjaz passou por 11 países, 16 cidades nos últimos três meses e no final confirmou aquilo que já sabia: que existe talento português por todo o mundo. "Tenho uma lista de mais de 170 nomes", disse à Agência Lusa, momentos antes de iniciar no sábado (21) à noite num jantar em Londres, a última escala da viagem de apresentação da Fundação Talento. O propósito desta odisseia era mobilizar a diáspora portuguesa para a identificação de portugueses talentosos "cujo sucesso beneficiará a imagem de Portugal", o que, segundo o dinamizador do projecto, ficou realizado. Seja entre os cientistas portugueses a trabalhar na indústria aeroespacial em Delft (Holanda), estudantes de Erasmus em Barcelona ou investigadores no CERN - a organização europeia para a investigação nuclear - na Suíça, Tiago Forjaz encontrou talento.

O que também percebeu foi que, depois de saírem de Portugal, muitos destes profissionais desenvolvem a auto-estima e passam a apreciar genuinamente o país e a cultura de origem. A "tournée da Fundação Talento" irá culminar num evento em Lisboa, em Dezembro, onde serão nomeados "senadores" para continuarem a identificar este talento e contribuir para a Fundação, que, no futuro, aspira a realizar acções culturais, científicas ou sociais para apoiar e desenvolver este talento. Tiago Forjaz tem como referências redes sociais e culturais como a indiana ou a judaica, que apoiam os seus membros a singrar, mas rejeitam interesses económicos ou um "clube de cunhas" de portugueses. "O nosso espírito é filantrópico", disse. Antes do Reino Unido, Tiago Forjaz, que é presidente da Jason Associates, uma consultora de recursos humanos, passou pelo Brasil, Espanha, França, Bélgica, EUA, África do Sul, Angola, Holanda e Suíça.

A ideia da Fundação nasceu depois do lançamento, há dois anos, do The Star Tracker, uma "rede social do talento global português", que se propunha a pôr em contacto portugueses com "talento" e mentalidade global, que já conta com 31 mil membros espalhados por mais de 120 países e tem o apoio do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva. O convívio continua a ser uma das principais vantagens deste site, concordaram vários membros presentes no jantar.

Em Londres há perto de dois anos, onde trabalha em marketing numa  multinacional, Ana Mota disse que o Star Tracker "foi importante para conhecer pessoas no início" e o facto de partilharem uma língua e cultura foi um "ponto de referência" que ajudou na sua instalação numa cidade estrangeira. Para Cláudio Martins, há mais de três anos na capital britânica, o Star Tracker foi fundamental no arranque de uma nova aventura profissional, o lançamento de uma empresa de comercialização e divulgação de vinhos portugueses. "Começou tudo no Star Tracker, foi lá que encontrei a pessoa que desenhou o logótipo", contou à Lusa. Sobre o facto de a maioria dos membros, cujo acesso só é possível por convite, serem profissionais jovens qualificados, todos rejeitam que seja um sinal de elitismo, mas uma "nova realidade" no fluxo migratório para o estrangeiro. "Não é elitismo, é o retrato da nova geração de portugueses que sai do país", garante Ricardo Fernandes, um dentista há pouco mais de um ano em Londres.

Voice, aqui, pág. 10.

 

 

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 018

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte.pt

Parceiros Apoios