FR
Início / Recursos / Recortes de imprensa 2009
Livro conta influência sino-portuguesa na cultura de Macau
2009-12-16

Lisboa, 16 dez (Lusa) - Portugueses e chineses coexistiram e negociaram em Macau durante quase 500 anos, mas só nas últimas duas décadas o intenso relacionamento entre os dois países se estendeu às respectivas línguas, defende a historiadora Celina Veiga de Oliveira.

Coautora do livro "Macau - uma história cultural", que será lançado nesta sexta-feira, em Lisboa, ela ressaltou à Agência Lusa que, se a história dos últimos quatro séculos e meio da região é feita de "dualismo", "nos últimos tempos dos portugueses em Macau houve uma aproximação muito grande" entre as duas comunidades.

Os doze anos de preparação da transferência da Administração do território para a China - concretizada em 20 de dezembro de 1999 -, e os últimos dez anos assistiram a um maior interesse na aprendizagem das respectivas línguas, por parte de portugueses e chineses, na região administrativa especial.

Não só foi necessário promover a formação de quadros bilíngues para a Administração, como a nova geração de emigrantes portugueses no território está aprendendo "a falar e escrever chinês", destacou Celina Veiga de Oliveira.

E embora atualmente se fale "pouco português" na região, a historiadora diz estar "confiante em que a língua portuguesa possa continuar, porque a China tem interesse nisso. Macau pode continuar, para o futuro, a ser a ligação da China ao mundo lusófono".

"Macau - uma história cultural" conta a história dos encontros e desencontros entre Portugal e China desde que os portugueses se estabeleceram na região administrativa especial chinesa, em meados do século 16, até o século 20.

"Os pregadores levam o Evangelho e os mercadores levam os pregadores" é a frase do jesuíta António Vieira com que a historiadora caracteriza o que tornou Macau um território "único", que junta o que "de melhor os portugueses e os chineses têm".

Identidade regional

Das intensas trocas comerciais, com a seda chinesa no centro, à diplomacia política, essencial para o delicado equilíbrio de poderes que se construiu no território, passando pelo papel da religião cristã e das ordens religiosas, especificamente dos jesuítas, o livro narra os esforços dos dois países para, sem perderem o que consideravam seu de direito, conseguirem alcançar a autonomia que acabou por se tornar a identidade da região.

"Macau é o resultado de várias confluências. Não é totalmente português, não é totalmente chinês, é de Macau", resume Celina Veiga de Oliveira.

Na história cultural de Macau, destaca a especialista, "houve sempre um dualismo, na administração, na justiça, no comércio, nas regras da religião, mas houve sempre, também, uma aceitação da outra parte".

Por isso, é com "tristeza" que ela observa o "desconhecimento sobre Macau em Portugal".

"Ninguém sabe quem é Macau, o que foi, a importância que teve para a História de Portugal e da China", critica a historiadora.

Uma "prova da indiferença que o poder político em Portugal teve sempre em relação a Macau" é a bandeira que o último governador da região administrativa especial recebeu na cerimônia de transferência da soberania do território estar guardada em uma gaveta de seu ex-auxiliar de campo.

Agência Lusa, aqui.

Observatório da Emigração Centro de Investigação e Estudos de Sociologia
Instituto Universitário de Lisboa

Av. das Forças Armadas,
1649-026 Lisboa, Portugal

T. (+351) 210 464 322

F. (+351) 217 940 074

observatorioemigracao@iscte-iul.pt

Parceiros Apoios